quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Férias.




Mais uma noite estou eu, enrolada em grossas cobertas,sentada em um sofá que cheira a casa da minha mãe, tremendo no frio que o Sul faz nessa época do inverno.
Você pode ter me deixado, mas eu, lembro-me completamente das tuas palavras "Procure ajuda,você está se matando."
Respirei bem fundo soltando a fumaça que saia da minha boca na noite gelada,me lembrei das vezes em que bebi e deixei escorrer pelo meu corpo o que muitos chamam de veneno da minha vida.
Saboreava cada gota como a última.Desatei a chorar.Desatei a chorar pelo simples fato de lembrar de como você faz falta e de como era gostoso,oh céus você era.   
Eramos perfeitos, meu ossos salientes,poderia contar quantas costelas eu tinha de longe, e você no seu corpo escultural, com o par de coxas mais lindos que já vi.Eramos engraçados,companheiros e amigos. 
Desejei pular de prédios e varandas centenas de vezes ao perceber o quanto estava errada em faze-lo sofrer assim.Porém confeço que odiei você,ah meu amor, eu odiei você das maiores formas possíveis,por ter chegado em umas das reuniões e soltado o verbo ao dizer que meu único amor seria uma garrafa de bebida qualquer. Eu queria chorar ao perceber que você estava certo e que estava me envergonhando de tal maneira. 
Eu menti,agredi,roubei,mas você não tinha o direito de me difamar no meio daquelas pessoas problemáticas, afinal, eu era tão normal.Mas você começou a falar e não parou mais e tudo o que disse eu fiquei mastigando a semana inteira.E chorando.O amor da minha vida, tinha me destruído em 3 horas. 
Percebi que eu era a pessoa horrível que você descreveu na reunião,me aceitei, me tratei e me curei. Depois de muito te odiar e de muito pensar em como fazer pagar por tudo que me fez, percebi que se não fosse pela tua dose de raiva e palavras me condenando eu não teria acordado. 
Hoje com um ano e três meses livrada do álcool, não me admirei de encontrar saudades tuas em meu peito. Desde aquela vez em que te vi na clínica, dizendo da pessoa horrível que eu era na reunião nunca mais nos falamos.
Me sinto melhor,de certa forma, e creio que fiz melhorias. Não vivo mais de porre e nem dou desculpas no emprego. Eis que me encontro neste sofá vazio, imaginando como eu poderia dar orgulho pra você agora. 
E para me interromper da pior forma possível a campainha toca e como se fosse telepatia,abro a porta e dou de cara com você. Seus lindos olhos verdes me fitando, me fizeram estremecer sem dizer uma só palavra. E então você,se ajoelha e com a voz rouca quebra o gelo na maior cara de pau diz: 
"Será que uma trepada agora está fora de cogitação?"

8.1.13
OBS: Texto inspirado no livro "Férias" da escritora Marian Keyes. Recomendo a todas as leitoras do blog!

2 comentários:

  1. Adorei, Pê!
    Nunca li o livro, mas sei que as histórias da Marian Keyes são sempre muito boas. Só de ler o texto deu uma curiosidade tremenda de ler o livro, haha.
    Parabéns pelo belo texto, a cada dia tu me surpreende com mais e mais criatividade, parabéns mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jen amiga, muito obrigada pelas tuas palavras, adoro te ver bem aqui!
      Enfim, os livros da Marian são uma maravilha, meus preferidos. Humor e amor, adoráveis.
      Fico feliz que tenha gostado,beijo.=)

      Excluir