segunda-feira, 29 de julho de 2013

O falecido.

Meu amor não ressuscita. Não que eu não tenha dado injeções de adrenalina direto no coração, ou tentado uma sessão de choque. Parei de andar correndo e comecei a analisar passo por passo, bem devagar.Só tentando achar uma solução.
Frequentei esquinas diferentes, experimentei outras bebidas, fiz novas amizades e falei sobre assuntos malucos. Aproveitei momentos para não me arrepender do que não fiz, apenas por ser jovem fiz coisas que todos consideravam errado.Detestei e amei minhas ações e aventuras.Mas ele? Nada de voltar. Frio como um cadáver, mas é isso que ele é.. um morto! Meu amor morreu, não sei bem quando, mas morreu.Vai ver morreu por que não encontrou outro amor vivo compatível com ele, morreu por que mataram ou morreu por que não tinha folego pra pensar que talvez ele vivesse procurando outro amor e nunca fosse encontrar.
Morreu fraquinho, coitado, sem forças nem pra me dizer que estava morrendo. Percebi que ele morreu, enquanto estava nas festas, enquanto bebia um pouco mais do líquido libertador,enquanto beijava alguém e sabia que aquele "A gente se fala amanhã por internet ou celular" era mentira e que amanhã eu estaria sozinha novamente por opção, ou não. Morreu por que eu nunca deixei que alguém me tocasse pra valer, e nunca levei ninguém a sério. 
Meu amor morreu após eu dizer a mim mesma tantas vezes, 'só depois da faculdade'. Tadinho, meu amor foi sem encontrar ninguém e me deixou aqui, vivendo meio vazia.
Tô vivendo de um lado pro outro, conhecendo gente e sabendo que logo vai sair da minha vida, encontrando pessoas e entendendo que meus beijos vão ser apenas pra curtir a noite. Tudo isso por que o meu amor morreu e ninguém ressuscitou ele. E ele também morreu sabendo que não importa quantos amores vivos ele encontre por aí, nenhum bate com ele agora.
'Quem sabe depois da faculdade, algum amor encontre uma maneira de te ressuscitar não é?' sussuro enquanto ele ainda esta morto. Quem sabe.. mas só daqui a algum tempo, por que nos meus planos não há espaço pra ninguém.
Coitado do meu amor, morreu sem amar!


10.06.13

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Vem e vai, vai e vem.

Meus olhos estavam fechados mas eu conseguia ver o clarão do sol as 7:30 da manhã de um dia frio de inverno.Abri os olhos tremendamente frustrada com a minha fraqueza.. E ela não era nem física. 
Eu era fraca por deixar que os meus planos fossem quebrados por ele,e pela minha imaginação ser tão produtiva e fértil. A primeira pessoa que me veio na cabeça,pela manhã, foi ele e percebi que também estava lá pela tarde e adivinhe... a noite também. Se você quiser enlouquecer, se apaixone. Eu achava isso pura bobagem! Achava inspiração pra poesia e frase pronta para músicas. Mas não é! Prove se apaixonar e verá como é loucura, é pior que álcool, ou qualquer tipo de droga. É injeção pura de adrenalina no coração, é perca de sentidos,falta de ar e excesso de loucura. Para ser a cereja do bolo, experimente se apaixonar por quem não é apaixonado por você. É veneno que mata devagar misturado com gosto de esperança. E uma frustração por ser um fraco, eis que me encontro nessa zona... a cereja do bolo. 
Digo a ti e repito, lembro do beijo dele a todo instante e não tenho vergonha disso. É que eu tenho desejo da boca dele na minha novamente, de ouvir a voz dele falando qualquer frase tão alta pra se fazer ser escutada melhor do que as músicas que entoavam da caixa de som. Olha, preciso contar uma coisa pra você, eu já gostava dele antes sabia? Mas eu gostava como quem não quer nada, gostava do sorriso, dos olhos e das roupas. Daquele jeito de gostar que a gente tem com qualquer pessoa que passa vez ou outra pela gente, que nem conhecemos mas temos afinidade. 
Eu prefiria ter deixado como estava mas em uma dessas festas ele clamou por meu nome, me procurou entre os amigos e fez questão de me chamar várias vezes pra conversar com ele, e no minuto que ele tocou meu braço senti arrepios da nuca até os pés, foi um choque, nossas energias estavam a mil e nos conectamos em corpo. Imagine, o meu ser ao perceber que estava aos beijos com o tão desejado sexo oposto. As frases formadas na minha cabeça,as cantadas decoradas dele.. nada disso precisou. Foi conexão exata. Mas é claro que foi só da minha parte, por que ele não é uma pessoa que se vê vez ou outro, ele é desejo que realizei. E cada vez que aparece o nome dele frente a um "oi" sinto todo o meu eu se contorcer, e quão gostosa é a sensação.
Meu beijo preferido, o meu casual favorito e por fim.. o desencontro mais certos que tive.

18.4.13